Sexta, 17 de Setembro de 2021 10:57
(71) 99256-3530
INTERNACIONAL MUNDO

Talibã retoma o poder no Afeganistão

Grupo radical havia sido expulso da capital Cabul há 20 anos

16/08/2021 08h54
587
Por: Redação Fonte: Correio 24h
Foto: AFP
Foto: AFP

O Talibã, grupo radical islâmico com ligações com a rede terrorista Al-Qaeda, surpreendeu o mundo nesse domingo (14) ao retomar o controle de Cabul, capital e mais importante cidade do Afeganistão. Desta vez, a surpresa se dá pela velocidade com que essa retomada se deu. Em torno de 15 dias, à medida que os Estados Unidos foram retirando suas tropas do país após 20 anos de ocupação, o grupo foi reconquistando uma a uma as principais cidades afegãs. 

Durante as duas décadas de ocupação americana, os militantes do Talibã fugiram do cerco para se refugiar nas áreas mais remotas do país.  Os serviços de inteligência dos EUA até previam que o grupo retomasse o controle do Afeganistão, mas acreditavam que isso se daria em um prazo de 12 meses após a retirada das suas tropas. 

O Talibã ganhou notoriedade na década de 90. Os militantes do grupo foram armados e treinados pelos serviços secretos dos EUA e do Paquistão na segunda metade dos anos 80 para combater a União Soviética que tentavam invadir o país. Com a derrota dos soviéticos, o grupo conduziu uma guerra civil até conquistar o poder em todo território afegão, onde impôs sua visão de islamismo fundamentalista radical. 

Nesta época, o Talibã também tinha estreitas ligações com a rede terrorista Al-Qaeda, liderada por Osama bin Laden - ele mesmo um dos líderes na batalha contra os soviéticos -, que, em setembro de 2001, atacou as torres gêmeas de Nova York em um atentado que chocou o mundo e deu inícios às invasões americanas ao próprio Afeganistão e ao Iraque. Bin Laden foi localizado e morto no Paquistão, em maio de 2011.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias