Quinta, 29 de Julho de 2021 06:20
(71) 99256-3530
CRIME ESTUPRO

Adolescente grava próprio estupro após ser abusada por seis anos no litoral de SP; padrasto dizia estar 'possuído'

Suspeito disse que 'algo o puxava à noite' para cometer os abusos contra a enteada, e que era 'tudo culpa do diabo'. Caso é investigado pela Delegacia da Mulher de Praia Grande

17/06/2021 09h51
931
Por: Redação Fonte: G1
Foto: G1 Santos
Foto: G1 Santos

Uma adolescente de 14 anos gravou um vídeo sendo estuprada pelo padrasto, de 44, e denunciou abusos sexuais cometidos por ele há pelo menos seis anos, em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Segundo a garota, ela decidiu que só contaria à família quando tomasse coragem e tivesse provas do crime.

A irmã mais velha da vítima contou, nesta quinta-feira (17), que os abusos aconteciam desde quando a menina tinha apenas 7 anos. O homem é casado há 12 com a mãe dela, e há alguns meses os abusos estavam se tornando cada vez mais frequentes.

Para não ser denunciado, de acordo com o relato, ele ameaçava a garota, e também pegava o celular dela antes dos abusos, para que não fosse registrado de nenhuma forma. Além disso, não havia diálogo entre a menina e a mãe.

"Minha mãe nunca falou sobre sexo com ela [vítima]. Ela só foi entender o que estava acontecendo com 12 anos, na escola", conta a irmã da vítima, que prefere não se identificar.

No entanto, no mês passado, ele pensou que a menina estivesse dormindo e começou a praticar o abuso sexual. Ela acordou e, com o celular escondido, conseguiu gravar momentos do crime.

Na semana seguinte à gravação, ela procurou a irmã mais velha, que não mora com eles, para denunciar o estupro. As duas contaram à mãe e, após ver o vídeo, as três foram à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Praia Grande registrar a denúncia.

"Ela [mãe] não iria só acreditar em palavras, ela era muito apaixonada por ele [padrasto]. Quando ela viu o vídeo, ficou paralisada", disse a irmã da vítima.

'Peças se encaixaram'

A irmã diz que, quando soube do crime e viu o vídeo da adolescente sendo abusada, as "peças se encaixaram" com relação ao comportamento do padrasto com as enteadas. "As brincadeiras dele em família sempre foram de abraçar, pegar na bunda. Tudo coisas estranhas. As peças foram se encaixando quando ela me contou", disse.

Além disso, a adolescente não tinha como escapar dos abusos, pois ele tinha acesso a todos os cômodos da casa. "São quatro quartos. Ele tinha a chave de todos. Mesmo se minha irmã trancasse, ele conseguia abrir. Minha mãe confiava tanto nele que dava as chaves".

'Possuído'

Após a denúncia à polícia, quando a família decidiu confrontar o homem e expulsá-lo de casa, ele chegou a confessar o crime para a esposa, segundo conta a irmã. "Minha mãe conversou com ele, chorando. Ele confessou para ela, e falou que era tudo culpa do diabo", relata.

"Disse que se arrepende, que espera que a família perdoe ele. Disse que, à noite, algo puxava ele e falava para ele fazer, que era mais forte que ele, que estava possuído. Ele disse que sabe que estragou uma vida, mas falou tentando comover minha mãe", completa a irmã.

Em seguida, ele foi expulso do local, com o apoio da Polícia Civil, que acompanhou a família até a residência.

Investigação

Um boletim de ocorrência foi registrado na Delegacia de Defesa da Mulher de Praia Grande, que investiga o caso. A adolescente passou por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), mas o resultado ainda não ficou pronto.

Segundo apurado, a Polícia Civil solicitou à Justiça a prisão preventiva do suspeito assim que recebeu a denúncia com o vídeo, mas o pedido não foi acatado pelo juiz de plantão. Mesmo assim, foi pedida a medida protetiva de urgência, com deferimento de distanciamento mínimo de 500 metros da vítima.

A equipe de jornalismo não conseguiu localizar o suspeito ou o advogado do suspeito para falar sobre o assunto.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias