Quinta, 24 de Junho de 2021 05:24
(71) 99256-3530
SAÚDE VACINA

Seringa incompatível provoca perda de 10,7 mil doses de vacina em Juiz de Fora

Cada frasco contém imunizante suficiente para dez aplicações, mas equipamento só consegue retirar nove; a agulha retém parte do medicamento

02/06/2021 07h49
340
Por: Redação Fonte: O Globo
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O uso de agulhas e seringas inapropriadas provocaram a perda de 10,7 mil doses de vacina contra o coronavírus em Juiz de Fora, em Minas Gerais. O medicamento é da Coronavac, produzido pelo Instituto Butantan, e seria suficiente para imunizar mais de 5 mil pessoas com as duas aplicações necessárias.

O desperdício ocorreu por conta da incompatibilidade dos equipamentos fornecidos pelo governo estadual com os frascos multidoses do imunizante, de acordo com a Secretaria de Saúde de Juiz de Fora. As seringas e agulhas recebidas pelo município mineiro não permitem a retirada de todas as dez doses que constam em cada recipiente.

— A agulha não é de baixo volume morto, como preconizada pelo fabricante. Em função disso, comunicamos a inviabilidade de retirar as dez doses de Coronavac — afirma a secretária de Saúde do município mineiro, Ana Cristina de Lima Pimentel.

Volume morto é o termo usado para designar o líquido que continua dentro da seringa após a aplicação. Ele fica retido entre o cilindro e a agulha e resulta em uma perda de imunizante. No caso da Coronavac, a seringa deve ser de baixo volume morto. No entanto, o equipamento recebido em Juiz de Fora não tem essa característica.

— Em função disso, comunicamos a inviabilidade de se retirar dez doses de Coronavac  — diz a secretária.  — A situação foi comunicada à Superintendência Regional de Saúde, sobre a necessidade de reenviar essas doses. Por ser inviável retirá-las, consideramos que elas não foram recebidas — acrescenta.

A comunicação formal foi feita por meio de um ofício enviado ao governo de Minas Gerais ainda em abril. Mas na ocasião, de acordo com Ana Pimentel, a gestão estadual de saúde já estava informada do problema. O GLOBO entrou em contato com a Secretaria de Saúde do estado mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

— Isso tem relação com processo de licitação. Acontece do vencedor distribuir o que existe no mercado naquele momento, a que estava disponível no momento. Durante a pandemia isso aconteceu com vários insumos — explica a secretária.

Apesar de incompatível, as seringas foram entregues no prazo e utilizadas para aplicação de vacinas em Juiz de Fora. O município já aplicou 256 mil doses de imunizantes: 180 mil pessoas receberam pelo menos a primeira dose e 76 mil tomaram a segunda.

De acordo com a Secretaria de Saúde de Juiz de Fora, o problema com as seringas afetou apenas a aplicação de doses da Coronavac. O envazamento dos imunizantes da AstraZeneca ou Pfizer estão sendo feitos com o equipamento apropriado.

O município também registrou a perda de outras 7 mil doses de vacina. Essas, no entanto, são consideradas perdas técnicas como problemas de armazenagem, conservação ou manuseio. Essa quantidade corresponde a 2,58% do total de vacinas aplicadas por Juiz de Fora no momento em que a questão das seringas foi reportado. O Plano Nacional de Imunização considera tolerável uma perda técnica de até 5% do total de imunizantes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias