Quinta, 24 de Junho de 2021 06:01
(71) 99256-3530
POLÍCIA INVESTIGAÇÃO

Seguranças pediram R$ 700 para liberar tio e sobrinho que furtaram carne na BA; polícia revela mentira em depoimento

Três seguranças do estabelecimento e quatro suspeitos de tráfico de drogas foram presos por envolvimento no caso. Gerente do supermercado se apresentou à polícia e foi liberado após prestar esclarecimentos

10/05/2021 15h19
649
Por: Redação Fonte: G1
Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

A Polícia Civil informou nesta segunda-feira (10), durante uma entrevista coletiva, que os seguranças do supermercado Atakarejo, em Salvador, mentiram no depoimento do caso envolvendo a morte de dois homens, após furto de carne no estabelecimento. A polícia também confirmou que eles pediram R$ 700 para liberar as vítimas.

Três seguranças do estabelecimento foram presos nesta manhã, durante a operação que investiga as mortes de Bruno e Yan Barros da Silva. O gerente do supermercado se apresentou à polícia na tarde desta segunda, mas foi liberado após prestar esclarecimentos.

Tio e sobrinho foram mortos após serem flagrados furtando carne do estabelecimento, no final do mês de abril. A família das vítimas diz que os seguranças do mercado entregaram Bruno e Yan para traficantes da região do Nordeste de Amaralina.

A diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Andréa Ribeiro, revelou que, no depoimento, os seguranças chegaram a negar que teriam entregue às vítimas para traficantes da região. No entanto, as investigações apontam que eles mentiram.

“Eles foram ouvidos em um primeiro momento aqui na nossa unidade policial, só que no decorrer das investigações, nós fomos trazendo aos autos outros depoimentos, outras testemunhas. Inclusive uma outra vítima que também sofreu violência física no ano passado, em circunstâncias muito parecidas. Foi algo determinante na investigação, para que nós pedíssemos a prisão dos seguranças", disse.

"Começamos a perceber que a ação era algo muito padrão dentro do estabelecimento, não foi uma atuação direta nesse caso que culminou no duplo homicídio. Nós conseguimos identificar, a partir da comparação entre a fala deles [seguranças], o depoimento deles, e a ação anterior a essas falas, de que eles não estariam falando a verdade", detalhou a delegada Andréa Ribeiro.

Em conversa com o G1 no dia 29 de abril, a mãe de Yan, Elaine Costa Silva revelou áudios em que Bruno pedia dinheiro a uma amiga, para pagar as carnes que eles teriam furtado de um supermercado. No áudio, a vítima relata que os seguranças pediram R$ 700 para liberar tio e sobrinho.

Durante a coletiva desta segunda, a delegada confirmou que um dos seguranças pediu o valor.

“A informação que chegou para a gente e está documentada é de que um dos seguranças, que a gente ainda não consegue identificar qual, pediu o valor. Teria havido pedido esse valor, a fim de liberar as vítimas. Esses valores seriam os valores que cobririam a carne furtada", disse a diretora do DHPP.

Durante a coletiva, a polícia disse ainda que outras duas pessoas também estavam no estabelecimento junto com Bruno e Yan. Essas pessoas foram ouvidas pela polícia e não tiveram nomes divulgados por questões de segurança.

Um deles chegou a entrar no supermercado, também para furtar carne, mas conseguiu escapar. Já a quarta pessoa ficou no estacionamento para dar apoio ao trio.

'Tinham dever de comunicar à polícia e não fizeram'

O secretário de Segurança Pública da Bahia, Ricardo César Mandarino, também participou da coletiva e criticou a postura dos seguranças do Atakarejo na ação. Ele chamou a atenção para o fato de que nenhum deles acionou a polícia, apesar de alegar que houve furto dentro do estabelecimento.

"Eles dizem que fizeram ocorrência administrativa, mas em nenhum momento foi registrado oficialmente. Os seguranças não têm poder de polícia, eles podem fazer ocorrência interna para empregados, não podem tomar providência de crimes", disse o secretário.

"Eles tinham o dever de comunicar à polícia sobre o caso e não fizeram. O supermercado tem obrigação de orientar seus funcionários. E, se contrata empresa para segurança, tem obrigação de saber que empresa é essa, que tipo de atitudes essa empresa toma e tem a obrigação de coibir abusos", destacou o secretário.

Operação

Além dos três seguranças do mercado, quatro homens – suspeitos de tráfico de drogas – também foram presos na operação da manhã desta segunda. De acordo com a Polícia Civil, eles também têm envolvimento nas mortes. A polícia cumpriu também mandados de busca e apreensão no supermercado e em casas no complexo de bairros que formam o Nordeste de Amaralina.

"No supermercado, estamos colhendo provas através de computadores, documentos, entre outros eletrônicos", disse a delegada responsável pela investigação, Zaira Pimentel.

Em nota, nesta segunda-feira, o Atakarejo informou que não comenta decisões judiciais e que vai continuar colaborando com as autoridades para que o crime seja esclarecido o mais rapidamente. Disse ainda que reitera a solidariedade aos familiares das vítimas e afirmou que a empresa não tolera qualquer tipo de violência.

Além do Nordeste de Amaralina, os mandados foram cumpridos nos bairros da Mata Escura e Fazenda Coutos, na capital baiana, e no município de Conceição do Jacuípe, a cerca de 100 quilômetros de Salvador.

O crime aconteceu no dia 26 de abril, mas só na última quinta-feira (6), o supermercado Atacadão Atakarejo informou que os seguranças envolvidos no caso foram afastados. Segundo a família das vítimas, Bruno e Yan foram entregues por funcionários do estabelecimento a integrantes de uma facção criminosa do bairro do Nordeste de Amaralina.

Polícia faz busca no Atakarejo após morte de tio e sobrinho que furtaram carne na Bahia — Foto: Natália Verena/Polícia Civil-BAPolícia faz busca no Atakarejo após morte de tio e sobrinho que furtaram carne na Bahia — Foto: Natália Verena/Polícia Civil-BA

Na última sexta-feira (7), o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) pediu a prisão preventiva das pessoas envolvidas nas mortes de Bruno Barros e Yan Barros.

O órgão, no entanto, não detalhou quantas pessoas podem estar envolvidas, nem as identidades delas. Além disso, o MP-BA também solicitou a prisão preventiva de funcionários da rede Atakarejo por terem contribuído com a morte do tio e do sobrinho.

Participaram da Operação Retomada cerca de 50 equipes com 200 policiais civis, agentes da Polícia Militar, da Superintendência de Inteligência da SSP e do Departamento de Polícia Técnica (DPT).

Polícia prende segurança e faz busca no Atakarejo após morte de tio e sobrinho que furtaram carne na Bahia — Foto: Alberto Maraux/SSP-BAPolícia prende segurança e faz busca no Atakarejo após morte de tio e sobrinho que furtaram carne na Bahia — Foto: Alberto Maraux/SSP-BA

Entenda o caso

Na noite do dia 26 de abril, dois homens foram achados mortos na localidade da Polêmica, em Salvador. De acordo com a Polícia Civil, eles foram torturados e atingidos por disparos de arma de fogo. À época, a polícia informou que a motivação do crime estava relacionada ao tráfico de drogas.

Um dia depois, no dia 27, eles foram identificados como Bruno Barros e Yan Barros. Já no dia 29 de abril, a mãe de Yan, Elaine Costa Silva, revelou que ele foi morto após ter sido flagrado pelos seguranças do supermercado Atakarejo por furtar carne no estabelecimento.

Segundo ela, o tio de Yan, Bruno, que também foi morto, enviou áudios a uma amiga contando o que tinha acontecido e pedindo ajuda para não ser entregue aos traficantes do Nordeste de Amaralina. No áudio, Bruno chegou a pedir para que a amiga chamasse a Polícia Militar, o que a jovem alega ter feito.

A PM afirmou, entretanto, que a 40ª CIPM não foi acionada para atender a ocorrência. Mas disse que foi até o local assim que tomou conhecimento do caso por meio da população. A polícia também disse que, ao chegar ao estabelecimento, funcionários não confirmaram o fato.

No dia 30 do mesmo mês, parentes e amigos dos dois homens fizeram uma manifestação na rua onde eles moravam, em Fazenda Coutos, e depois na frente do Atacadão Atakarejo que fica no mesmo bairro.

O grupo bloqueou a rua próximo à Base Comunitária da Polícia Militar pedindo justiça. Emocionada, a mãe de Bruno , Dionésia Pereira, chegou a passar mal durante o ato. Depois, eles entraram no supermercado e com cartazes fizeram um protesto.

Na época, o Atakarejo disse que cumpre a legislação vigente e atua rigorosamente comprometido com a obediência às normas legais, e que não compactua com qualquer ato em desacordo com a lei.

Disse também que os fatos questionados envolvem segurança pública e que certamente serão investigados e conduzidos pela autoridade pública competente.

Também no dia 30, o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) informou que ao tomar conhecimento do fato envolvendo Bruno Barros e Yan Barros, adotou as providências cabíveis nesta fase preliminar de apuração, autuando uma notícia de crime e encaminhando ao Núcleo do Júri da Capital.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias