Segunda, 06 de Julho de 2020
77 98103-4200
CIDADE NOVAS PROIBIÇÕES

Caculé: Prefeito proíbe a venda de fogos de artifício e determina a suspensão de alvarás aos comerciantes do ramo

O Decreto leva em consideração a recomendação do Ministério Público do Estado da Bahia sobre medidas temporárias de prevenção e combate à pandemia do coronavírus.

25/06/2020 09h08 Atualizada há 1 semana
1.486
Por: Aloísio Costa
Decreto que proíbe venda de fogos, publicado pelo prefeito Beto Maradona somente no dia dia 23, contraria vendedores. Foto: Lay Amorim.
Decreto que proíbe venda de fogos, publicado pelo prefeito Beto Maradona somente no dia dia 23, contraria vendedores. Foto: Lay Amorim.

Em pleno período de festas juninas, o prefeito de Caculé, José Roberto Neves, do Democratas, decidiu proibir a venda de fogos de artifício, bem como a concessão de alvarás para as barracas que comercializem o produto. O Decreto (1.573) que estabelece as imposições foi publicado na terça-feira (23).

De acordo com o documento, a proibição passa a valer a partir das 00:00 horas do dia 23 de junho de 2020 e permanecerá enquanto durar a situação de calamidade pública.

Além da venda de fogos, o Decreto também proíbe:

- conceder alvará para barracas que comercializem fogos de artifício;

- acender fogueiras em espaços públicos e privados;

- queimar ou soltar fogos de artifício em espaços públicos e privados.

O prefeito também determinou a suspensão dos alvarás que foram concedidos antes da publicação do Decreto.

O Decreto leva em consideração a recomendação do Ministério Público do Estado da Bahia sobre medidas temporárias de prevenção e combate à pandemia do coronavírus.

Entre as considerações do documento, está a de que a tradição junina de acender fogueira e queimar fogos de artifício naturalmente provoca aglomerações, comprometendo a eficácia do isolamento social, além de elevar os riscos de doenças e problemas respiratórios.

Prefeito contraria o próprio Decreto e acende fogueira na noite de São João. A postagem foi feita em sua rede social às 23:28 horas do dia 23 de junho. Foto: Reprodução/Facebook.

 

A proibição, “feita nas coxas”, contrariou dezenas de barraqueiros que tradicionalmente comercializam fogos de artifício na cidade nesta época do ano. Para eles, a medida deveria ter sido tomada com antecedência.

“Agora, que já compramos a mercadoria e precisamos vender os produtos o prefeito diz que está proibido? Acho isso um absurdo e uma falta de respeito. Já não basta esse crise que estamos passando e vamos ter que arcar com mais esse prejuízo?” Questiona um ambulante.

Outro vendedor de fogos desabafou: “Pra que aglomeração maior do que a que estamos vendo nos comércios e até mesmo nas feiras-livres? A cidade está cheia e a prefeitura não tem como controlar isso. Não é uma reunião familiar, em casa, com uma fogueira acesa, que vai comprometer o combate ao coronavírus.”

Mesmo com o cancelamento dos eventos oficias de São João, ambulantes já comemoravam aumento de 20% nas vendas de fogos de artifício em comparação a 2019. Foto: Aloísio Costa. 

 

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
% (mm) Chance de chuva
Amanhã (07/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Quarta (08/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Ele1 - Criar site de notícias