Sábado, 15 de Agosto de 2020 13:23
77 98103-4200
Dólar comercial R$ 5,43 1.116%
Euro R$ 6,43 +1.4%
Peso Argentino R$ 0,07 +0.679%
Bitcoin R$ 68.481,42 +1.265%
Bovespa 101.353,45 pontos +0.89%
ECONOMIA TRABALHO

A estabilidade no emprego e o coronavírus: veja as medidas adotadas pelo governo

Há poucas respostas para funcionários e empregadores sobre o que fazer com este isolamento social e queda na receita.

02/04/2020 10h23
867
Por: Aloísio Costa
A mesma Medida Provisória editada pelo Governo também possibilitou a estabilidade no emprego.
A mesma Medida Provisória editada pelo Governo também possibilitou a estabilidade no emprego.

Na última semana, o Governo Federal publicou a Medida Provisória nº 927. Tinha até um artigo que foi revogado no dia seguinte pela MP 928 que tratava da possibilidade da suspensão do contrato de trabalho por até 4 meses se houver comum acordo entre empregador e empregado.

Houve um barulho imenso, afinal, os funcionários poderiam ficar até 4 meses sem receber e muita gente alegou que, na prática, este acordo levaria em conta só a vontade do empregador. Enfim, o artigo foi revogado e a crise está aí: uma questão de saúde pública e econômica.

Há poucas respostas para funcionários e empregadores sobre o que fazer com este isolamento social e queda na receita.

Só que a mesma Medida Provisória editada pelo Governo também possibilitou a estabilidade no emprego.

Já no artigo primeiro fica demonstrado que o foco da Medida Provisória é permitir que os empregadores adotem medidas para preservar empregos, e, claro a renda, de seus empregados:

“Esta Medida Provisória dispõe sobre as medidas trabalhistas que poderão ser adotadas pelos empregadores para preservação do emprego e da renda e para enfrentamento do estado de calamidade pública […]”.

Logo, todo o texto deve ser lido a partir deste objetivo.

O segundo artigo diz expressamente que “o empregado e o empregador poderão celebrar acordo individual escrito, a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício”.

Já no artigo 3º em diante são apresentadas várias medidas que as empresas poderão adotar neste período da calamidade. Segue abaixo:

Art. 3º Para enfrentamento dos efeitos econômicos decorrentes do estado de calamidade pública e para preservação do emprego e da renda, poderão ser adotadas pelos empregadores, dentre outras, as seguintes medidas: I - o teletrabalho; II - a antecipação de férias individuais; III - a concessão de férias coletivas; IV - o aproveitamento e a antecipação de feriados; V - o banco de horas; VI - a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho; VII - o direcionamento do trabalhador para qualificação; e VIII - o diferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS.

Destaque que o artigo fala “dentre outras medidas”, ou seja, tudo o que for necessário para manter o emprego e a renda, o texto abre esta possibilidade e não só as elencadas acima.

Aliás, ao fim do texto há novamente o reforço de que: “Consideram-se convalidadas as medidas trabalhistas adotadas por empregadores que não contrariem o disposto nesta Medida Provisória, tomadas no período dos trinta dias anteriores à data de entrada em vigor desta Medida Provisória.”

Vamos aguardar quais serão as outras decisões que o Governo irá tomar a fim de que todos saiam menos prejudicados desta pandemia.

Não custa lembrar: quarentena e isolamento social não são férias e higiene é fundamental.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
VOCÊ TEM DIREITO!
Sobre VOCÊ TEM DIREITO!
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
% (mm) Chance de chuva
Amanhã (16/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Segunda (17/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Ele1 - Criar site de notícias